quando nasce uma mãe

Uma mãe recém-nascida

Quando nasce uma mãe

Venho para falar sobre o começo de um começo, o início da relação de uma mãe com seu primeiro bebê, momento que a mulher inaugura o lugar (subjetivo) de ser mãe. Mas não vou falar das belezas e alegrias deste momento, pois isto já é amplamente difundido e reforçado. Quero abrir espaço para trocar sobre o outro lado da moeda.

É comum que antes do nascimento do primeiro filho(a) nenhum aspecto da maternidade tenha sido de fato vivenciado como realidade cotidiana e praticamente tudo ainda esteja no plano das ideias, da imaginação e da fantasia. Até que nasce o bebê, ainda muito envolto em nossas expectativas e idealizações, e a relação entre mãe e filho(a) agora passa a ser real.  E não costuma ser fácil, pois é como se este aspecto chegasse como um banho de realidade que se choca de forma dolorosa com os ideais que foram vividos antes do bebê nascer.

Dificilmente o ideal e o real estão próximos quando o tema é maternidade, especialmente porque o materno é culturalmente idealizado e das experiências difíceis, frustrantes e doloridas que são inerentes a este começo, pouco ouvimos falar. A nova mãe vive perdas importantes, perde parte daquilo que construiu em termos de identidade e que não está associado ao ser mãe, momentos que são temporariamente suspensos e deixam de ser vividos pelo simples fato de não ser mais possível se desligar completamente de tudo o que nos rodeia, por mais “bonzinho” e saudável que seja o bebê. Claro que isto tem impactos muito diferentes para cada mulher, mas não há uma sequer que não sinta falta, no mínimo, de poder ir ao banheiro sempre que sente vontade, de poder dormir quando está cansada, de parar tudo para assistir um programa que gosta, de programar uma saída com o marido e saber que ela irá acontecer, enfim, poderia citar muitos exemplos como estes que dizem de um certo controle sobre a nossa própria vida e que se perdem durante os primeiros meses do bebê, por exemplo.

A nova mãe a culpa

No entanto, a principal dificuldade parece estar na falta de um canal de comunicação aberto para falar e escutar quando o assunto é a dor do nascimento de uma nova mãe. Esta que, por nunca ter escutado nada sobre a inevitável face trágica do ser mãe, quando se depara com ela, encontra também uma nova e pesada companheira, a culpa: “que péssima mãe eu sou por estar sentindo tudo isto”, e sem ter com quem compartilhar a dor, vive este conflito de forma mais intensa do que ele precisaria ser, por estar associado ao peso da culpa. O que vejo na prática clínica é que muitas vezes uma grande dificuldade na relação mãe-filho não está assentada na realidade dos conflitos, mas no peso que eles adquiriam nesta associação.

Sei que quando somos acolhidas e podemos compartilhar estes afetos, a culpa se torna mais diluída. No contrário, muitas vezes ela pode tomar dimensões e proporções gigantescas dificultando a construção de uma relação prazerosa entre mãe-filho. E se eu quero fazer este assunto circular é para ressaltar a importância de poder falar e de ser escutada. Para os outros e pelos outros, para nós mesmas e por nós mesmas.

É certo que este processo de confronto entre ideais e realidade virá nos visitar inúmeras vezes, sempre que desejarmos algo dentro desta relação e este algo se tornar distante da nossa realidade. E talvez esta seja a verdadeira beleza da maternidade, porque o aprendizado único de estar diante das nossas sombras e não ter como fugir delas nos enriquece. A sombra só existe onde há luz, e se pudermos olhar bem para a sombra, sem negá-la, certamente encontraremos de onde vem nossa luz.

A verdadeira luz da maternidade não vem das criações idealizadas e irreais sobre o ser mãe, por isto, não permita que a culpa obscureça a relação de legítimo amor que você está construindo com seu bebê. Escolher acolher dentro de si aquilo que é próprio do humano, com suas dores e delícias, é um ato tão libertador que certamente reverberará positivamente também na sua relação com o bebê.

Que todas as mulheres sejam livres para viver uma maternidade leve e isenta de culpas nocivas e desnecessárias!

 

julia

JULIA DOS SANTOS ALFACE
Psicóloga – CRP 08/12434

www.ambientenascerdosol.blogspot.com.br
www.facebook.com.br/ambientenascerdosol

Fones: (41) 9157-0095 ou (41) 3014-6182.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *